A Jerusalém celestial como retrato e modelo da sagrada liturgia

D. Mauro Maia Fragoso

Resumo


Numa perspectiva geográfica, artística e teológica, este ensaio aborda espaço, tempo, cultura e forma como conceitos indispensáveis à ação humana e, por conseguinte, pressupostos básicos para as celebrações litúrgicas. Sob a lente da geografia, auxiliada pela teologia e pelas artes visuais, esse estudo propõe-se a analisar o contínuo diálogo entre o Céu e a Terra: o Céu, para onde o homem se encaminha, e a Terra, como espaço sobre o qual o homem, à luz das Sagradas Escrituras e da Tradição eclesiástica, procura viver antecipadamente as alegrias celestiais. Para tanto, faz-se necessário recorrer à cultura hebraica, ao desenrolar do conceito de liturgia e à participação das variadas modalidades artísticas.

Texto completo:

PDF

Referências


A BIBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 1981.

ADAM, Barbara. Time. Cambridge: Polity Press, [2004] 2006.

AUGÉ, Matias. Liturgia: história, celebração teologia, espiritualidade. Embu: Ave Maria, [1992] 1998.

BAXANDALL, Michael. O olhar renascente: pintura e experiência social na Itália da Renascença. São Paulo / Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1972] 1991.

BERNARD, Charles André. Introdução à Teologia Espiritual. São Paulo: Loyola, 1999.

CALLE, Francisco de la. Teologia do quarto Evangelho. São Paulo: Paulinas, [1974] 1978.

CLAVAL, Paul. A Geografia cultural. Florianópolis: UFSC, [1995] 1999.

CLAVAL, Paul. A paisagem dos geógrafos in CORRÊA, Roberto Lobato, e ROSENDAHL, Zeny (Organizadores). Geografia cultural: uma antologia. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012, Volume I, p. 245-276.

CLAVAL, Paul. Campo e perspectivas da geografia cultural in CORRÊA, Roberto Lobato, e ROSENDAHL, Zeny (Organizadores). Geografia cultural: um século (3). Rio de Janeiro: EDUERJ, 2002, p. 133-196.

CLAVAL, Paul. Religion et idéologie: perspectives géographiques. Paris: PUPS, 2008.

CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço e simbolismo in CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo Cesar da Costa, e CORRÊA, Roberto Lobato (Organizadores). Olhares geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand, 2012, p. 133-153.

DUBY, Georges. O tempo das catedrais: a arte e a sociedade (980-1420). Lisboa [1978] 1993.

FRAGOSO, Mauro Maia. Uma proposta para estudo da imaginária cristã a partir de Romano Guardini e o contexto cultural da obra. Coletânea, Rio de Janeiro, v. 17, n. 33, p. 145-166, jan./jun. 2018.

FRAGOSO, Victor Murilo Maia (Mauro). Grafia e iconografia: traços identitários na Escola do Serviço do Senhor. 2015. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2015.

ROSENDAHL, Zeny. Hierópolis: o sagrado e o urbano. Rio de Janeiro: EDUERJ, [1999] 2009.

ROSENDAHL, Zeny. O sagrado e sua dimensão espacial in CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (Organizadores). Olhares geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand, 2012, p. 73-99.

SCHMITT, Jean-Claude. O corpo das imagens: ensaio sobre a cultura visual na Idade Média. Bauru: EDUSC, 2007.

STEIN, Edith. Ser finito y Ser eterno: ensayo de una ascensión al sentido del ser. México: Fondo de Cultura Económica, [1950] 1996.

VAUCHEZ, André. A Espiritualidade na Idade Média Ocidental: séculos VIII a XIII. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, [1994] 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.