Relações entre a Igreja Latina e a Grega durante o Pontificado de Urbano V

Dom Mauro Maia Fragoso, OSB, Pedro Henrique Abreu Santos

Resumo


Este artigo apresenta um estudo a respeito do esforço unionista de Urbano V, os motivos que favoreceram a conversão do Imperador bizantino à fé católica e as consequências práticas desde ato imperial na vida da cristandade. A união entre as Igrejas do Ocidente e Oriente esteve na pauta política do papado durante os séculos XIII e XIV, culminando no decreto Laetentur Coeli do Concílio de Florença em 1439, sobre a união de ambas as Igrejas. O esforço unionista de Urbano V foi um dos fatores históricos importantes para o favorecimento da união dos dois braços da cristandade, separados desde 1054. Urbano V adotou uma política de abertura ao Imperador João V Paleólogo, que buscava aproximar-se do Ocidente em busca de auxílio militar contra os invasores otomanos. Além disso, o Imperador mostrara-se favorável às tradições da Igreja do Ocidente, em virtude de seus laços familiares com a Casa de Saboia. As relações diplomáticas entre o papado e o Império Oriental proporcionaram um intercâmbio cultural e teológico entre Oriente e Ocidente fundamental para o intento unionista.
Palavras-chave: Cisma do Oriente. Urbano V. João V Paleólogo. Ecumenismo. Unionismo.


Texto completo:

PDF

Referências


AUBERIGO, Giuseppe. História dos concílios ecumênicos. 6 ed. São Paulo: , 2020.

BLANCHET, Marie-Hélène. La question de l’Union des Églises (13e-15e siècle): historiographie et perspectives. Revue des études byzantines, n. 61, p. 5-48, 2003. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/rebyz_0766-5598_2003_num_61_1_2271>. Acesso em: 11 mai. 2022.

CASTELLA, Gaston. Historia de los papas. Tomo I. Madrid: Espasa-Calpe, 1970.

CHIRON, Yves. Urbain V le bienheureux. Versailles: Via Romana,

CIRILO DE ALEXANDRIA. De adoratione et in cultu in spiritu et veritate. Livro I. In: CRAWFORD, Matthew R. The preface and subject matter of Cyril of Alexandria’s de Adoratione. Journal of Theological Studies, v. 64, n. 1, p. 154-167, 2013. Disponível em: https://acuresearchbank.acu.edu.au/item/8v82x/the-preface-and-subject-matter-of-cyril-of-alexandria-s-de-adoratione>. Acesso em: 04 jul. 2022.

DELACROIX-BESNIER, Claudine. Conversations constantinopolitaines au XIXe siècle. Mélanges de l’École Française de Rome. Moyen âge, Temps Modernes, v. 105, n. 2, p. 715-761, 1993.

DENZINGER, Heinrich. Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo: Edições Paulinas/Loyola, 2007.

GILL, Joseph. Eleven emperors of Byzantium seek union with the Church of Rome. Eastern Churches Review, n. 9, p. 72-84, 1977.

JEDIN, Hubert. Manual de historia de la Iglesia. Tomo IV. Barcelona: Editorial Herder, 1986.

MELVILLE-JONES, John R. Constantinople as “New Rome”. Byzantina Symmeikta, n. 24, p. 247-262, 2014. Disponível em: https://ejournals.epublishing.ekt.gr/index.php/bz/article/view/3848/3669>. Acesso em: 11 mai. 2022.

MEYENDORFF, Jean. Projets de concile oecuménique em 1367: un dialogue inédit entre Jean Cantacuzène et le légat Paul. Dumbarton Oaks Papers, v. 14, p. 147-177, 1960.

STREZOVA, Anita. Hesychasm and Art: The Appearance of New Iconographic Trends in Byzantine and Slavic Lands in the 14th and 15th Centuries. Canberra: ANU Press, 2014.

TOYNBEE, Arnold J. A study of History. New York: Oxford Press, 1974.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.