A natureza do Sacerdócio Ministerial Segundo Joseph Ratzinger

Gilcemar Hohemberger

Resumo


A imagem do sacerdócio católico, tal como foi validamente definida pelo Concílio de Trento e reafirmada e aprofundada pelo Concílio Vaticano II à luz da Bíblia, entrou em crise profunda depois do Concílio. Diante da visão cultural dominante, que abrange cada vez menos o sagrado e prioriza a “funcionalidade” (concepção sócio-funcional), a concepção católica do sacerdócio corre o risco de perder a sua consideração natural (sacramental-ontológica). Joseph Ratzinger, um dos mais influentes teólogos do último século, desenvolve uma reflexão pertinente sobre a natureza do ministério sacerdotal na qual o ontológico está relacionado ao serviço, destacando a excelência, a necessidade e a indefectibilidade do sacerdócio ministerial. Nessa linha de pensamento, partiremos da fundamentação do ministério do Novo Testamento, demonstrando o sacerdócio como participação na missão de Cristo.
Palavras-chave: Sacerdócio. Ministério. Jesus Cristo. Missão. Joseph Ratzinger.


Texto completo:

PDF

Referências


BLANCO, P., La teología de Joseph Ratzinger. Una introducción, 2. ed. Madrid: Palabra, 2011.

CONGREGAÇÃO PARA O CLERO. Diretório para o Ministério e a Vida do Presbítero.2.ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

CONGREGAÇÃO PARA OS BISPOS. Diretório para o Ministério Pastoral dos Bispos: Apostolorum Successores” Sucessores dos Apóstolos São Paulo: Loyola, 2005

LÖHRER, Magnus. A Hierarquia a Serviço do Povo Cristão. In: BARAÚNA, Guilherme. A Igreja do Vaticano II. Petrópolis: Vozes, 1965. p. 729-742.

RATZINGER, _____ . A Colegialidade dos Bispos. Desenvolvimento Teológico. In: BARAÚNA, Guilherme. A Igreja do Vaticano II. Petrópolis: Vozes, 1965. p. 763-788.

RATZINGER, Joseph. Obras completas VII/1 – Sobre la enseñanza del concilio Vaticano II. Formulación, transmisión, interpretación. Madrid: BAC, 2014, 592 p.

SÍNODO dos Bispos. Assembléia Extraordinária do Sínodo dos Bispos “Relatio Finalis” SEDOC, Petrópolis, v. 18, n. 189, p. 828-845, mar. 1986.

_____ . Chiesa, ecumenismo e politica. 2. ed. Milano: Paoline, 1987.

_____ . Convocados en el camino de la fe. A Iglesia como comunión, Madrid, Cristandad, 2004.

_____ . Dogma e Anúncio. São Paulo: Loyola, 2007.

_____ . El nuevo pueblo de Dios, Barcelona: Herder, 2005.

_____ . Introdução ao Cristianismo. Preleções sobre o Símbolo Apostólico. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2006.

_____ . La Iglesia. Una comunidad siempre en camino. 2. ed. Madrid, España: San Pablo, 2005.

_____ . MAIER, Hans. Democracia na Igreja. São Paulo, Paulinas, 1976.

_____ . Natureza e Missão da Teologia. Petrópolis: Vozes, 2008.

_____ . O caminho pascal. Cascais: Lucerna, 2006,

_____ . O Novo Povo de Deus. São Paulo: Paulinas, 1974.

_____ . Obras completas VIII/1 – Iglesia. Signo entre los pueblos. Escritos de eclesiología y de ecumenismo. Madrid: BAC, 2015, 680 p.

_____ . Obras completas XII – Predicadores de La Palabra y Servidores de vuestra alegria. Teologia y espiritualidad Del sacramento Del Orden. Madrid: BAC, 2014, 860 p.

_____ .Compreender a Igreja hoje. Vocação para a comunhão. Petrópolis: Vozes, 1992.

______. As implicações pastorais da doutrina sobre a colegialidade dos Bispos. Concilium, v.1, n.1, p. 27-49, jan. 1965.

TABORDA, Francisco. A Igreja e seus ministros: uma teologia do ministério ordenado. São Paulo: Paulus, 2011. (Col. Teologia sistemática).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.