Praecognitio e Razão Prática segundo Tomás de Aquino

Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira

Resumo


A razão prática causa a volição do bem na vontade, uma espécie de volição inicial, a qual desencadeia todos os atos consequentes da vontade. No pensamento de Tomás de Aquino, a razão prática continua a agir sobre a vontade depois deste primeiro ato de causalidade. Por outro lado, o conhecimento da razão prática que estimula a volição não é um conhecimento de natureza científica. Este conhecimento da razão prática versa sobre o contingente. De modo que a razão prática provoca a vontade a partir de uma praecognitio, a qual, embora não seja um conhecimento seguro como o conhecimento científico, é suficiente para o agir humano. O objetivo deste artigo foi o de mostrar a natureza e a suficiência da praecognitio da razão prática para fundamentar o agir humano.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Posterior Analytics, Topica. By Hugh Tredennick and E. S. Forster. Cambridge: Harvard University Press, 1960.

________. Ética a Nicômaco. Tradução de António Caeiro. São Paulo: Atlas, 2009.

________. Órganon. 2 ed. Bauru: Edipro, 2010.

AUBENQUE, Pierre. A Prudência em Aristóteles. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2008.

FINNIS, John. Lei Natural e Direitos Naturais. Porto Alegre: Unisinos, 2006.

TOMÁS DE AQUINO. Quaestiones Disputatae. Vol. II. Turim: Marietti, 1965.

_______. Expositio Libri Posteriorum. Roma, Paris: Commissio Leonina, Jean Vrin, 1989.

_______. Suma Teológica. Vol I. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2005.

_______. Suma Teológica. Vol VI. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2005b.

_______. Suma Teológica. Vol III. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2009.

_______. Suma Teológica. Vol. IV. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2010.

_______. As Virtudes Morais. Tradução de Paulo Faitanin e Bernardo Veiga. Campinas: Ecclesiae, 2013.

_______. Suma contra os Gentios. Vol. I. São Paulo: Loyola, 2015.

_______. Le Questioni Disputate. La Verità. Bolonha: E. Studi Domenicani, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.