Hannah Arendt, os refugiados venezuelanos e a pandemia

Felipe Luiz Gomes Figueira

Resumo


O presente artigo traz um diálogo entre Hannah Arendt, os refugiados venezuelanos e a pandemia. Para tanto, tendo como norte o pensamento da filósofa alemã, serão analisadas situações que perpassam o século XX, como a perseguição aos judeus, e situações do século XXI, mormente as que atingem os refugiados venezuelanos. Junto à análise teórica, este trabalho traz, também, experiências de campo do autor junto aos venezuelanos, desenvolvidas e visualizadas através de fotografias. Além desses aspectos, também será analisado como a pandemia do novo coronavírus pode afetar ainda mais a condição dos refugiados.

Palavras-chave: Hannah Arendt. Refugiados venezuelanos. Pandemia.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. Educação e Emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

ARENDT, H. As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

______. Nós, os refugiados. Portugal: Universidade da Beira Interior, 2013.

FIGUEIRA, F. Entre médicos e imigrantes. Curitiba: CRV, 2018.

______. Travessias. Curitiba: CRV, 2020.

FREUD, S. Moisés e o Monoteísmo. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1975.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes, 1994.

SCHWEITZER, A. Entre a água e a selva: narrativas e reflexões de um médico nas selvas da África equatorial. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

______. Filosofia da civilização: Queda e reconstrução da civilização. Cultura e ética. Tradução de Petê Rissatti. São Paulo: Editora UNESP, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.