Justiça mercantilizada e sua correlação com a vida inautêntica: da crítica heideggeriana da modernidade à dialética do esclarecimento de Adorno e Horkheimer

Gilbert Ronald Lopes Florêncio

Resumo


A dicotomia sujeito-objeto ensejou a preponderância do saber
científico e do saber técnico sobre outros saberes, colocando o mundo e o
próprio humano na condição de seres manipuláveis. O humano, assim tornado
coisa, teve seu valor reduzido à sua capacidade técnica, sendo classificado
e tendo seu sucesso determinado pela maior ou menor produtividade,
ou seja, encontra-se submetido a uma valoração segundo parâmetros mercadológicos,
que reduz tudo a mero recurso, a objetos de troca amoldados
à indiferença do mercado, erigindo-se uma sociedade indiferente, reificada
e regida pelo automatismo imposto pela racionalidade instrumental, que a
torna incapaz de pensar seus rumos, tampouco a justiça de seus fins, na qual
o humano é mera peça da engrenagem do onipresente e onipotente Mercado;
uma sociedade massificada, amorfa, indistinta e indiferente. Insculpido
nesse quadro, e moldado ao seu formato, é que se encontram o Direito
hodierno e a Justiça, que de sua práxis advem: um degradado modelo, que
se reduz a uma linha de produção de demandas e soluções assentadas na
padronização, sob o molde fordista, voltada à satisfação dos anseios de um sujeito-massa, amorfo e sem face, sem espaço para a singularidade, para as nuances da concretude de cada caso; perde-se a individuação pela preponderância das metas e estatísticas quantitativas de avalição mercadológicas, em detrimento da efetiva valoração do conteúdo ético das decisões. Eis aí a mercantilização da Justiça pela mercantilização do instrumento de sua realização, que é o Direito.


Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. História da filosofia. Tradução de Conceição Jardim, Eduardo

Lúcio e Nuno Valadas. 4. ed. Lisboa, 2001, p. 54-57 (Coleção História da filosofia, 12).

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos

filosóficos. Tradução de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ALEXY, Robert. Conceito e validade do direito. Tradução de Gercélia Batista de Oliveira

Mendes. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

CASANOVA, Marco Antonio. Compreender Heidegger. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FRED, Rush (org.) Teoria crítica. 2. ed. Tradução de Beatriz Katinsky, Regina Andrés

Rebollo. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2008.

GOYARD-FABRE, Simone. Os fundamentos da ordem jurídica. Tradução de Claudia

Berliner; revisão da tradução por Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes,

HART, H. L. A. O conceito de direito. Tradução de Antônio de Oliveira Sette-Câmara;

revisão da tradução por Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: WMF Martins Fontes,

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução, organização, nota prévia, anexos e notas

de Fausto Castilho. Campinas, SP: Editora da Unicamp; Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ISRAEL, Jonathan I. Iluminismo radical: a filosofia e a construção da modernidade,

-1750. Tradução de Claudio Blanc. São Paulo: Madras, 2009.

RAZ, Joseph. Valor, respeito e apego. Tradução de Vadim Nikitin. São Paulo: Martins

Fontes, 2004.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia. 2. ed. Tradução de Ivo Storniolo.

São Paulo: Paulus, 2008 (Coleção História da filosofia, 6).

SCRUTON, Roger. Tolos, fraudes e militantes: pensadores da nova esquerda. Rio de

Janeiro: Record, 2018. e-book kindle.

THOMSON, Alex. Compreender Adorno. Tradução de Rogério Berttoni. Petrópolis,

RJ: Vozes, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.