A necessidade da mais nobre virtude da conduta moral do homem: a justiça

Lucia Cavalcante Reis Arruda

Resumo


O intuito deste artigo é o de percorrer a virtude justiça, para fundamentar a realização de atos morais, através da companhia de alguns filósofos, escolhidos por suas reflexões éticas: Platão, Aristóteles, Santo Tomás, Rousseau, Schopenhauer e Lévinas. Ressalva-se não se tratar de um aprofundamento em suas teses, mas de uma exposição de suas ideais básicas sobre o tema; visando traçar uma diretriz para o comportamento moral, numa interrelação mais humanizada. Apresentar cada um em suas peculiaridades na compreensão e na definição da virtude justiça, e, com isto, pretender despertar no leitor a necessidade de efetivar esta virtude, para a realização de uma conduta moral. Pelos filósofos acolhidos, embora construam reflexões diversificadas, através de suas correntes filosóficas específicas, busca-se mostrar a possibilidade de afirmar que por se tratar de conduta moral sob a virtude justiça, convergirão em suas conclusões.
Palavras-chave: Virtude. Justiça. Comportamento Moral. Responsabilidade. Bem Comum. Desigualdade dos homens. Autonomia. Heteronomia.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Livro V. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973, p. 321-338.

DERRIDA, J. “O phármakon”. In A Farmácia de Platão. Tradução de Rogério da Costa. 3ª edição revista. São Paulo: Editora Iluminuras, 2005, p. 43-64.

DICTIONNAIRE d’éthique et de philosophie morale. Tome 2. Article V: “Virtu – Éthique de la virtu”. Sur la direction de Monique Canto-Sperber. Quatrième édition revue et argumentée. Paris: Quadrige/PUF, 2004, p. 2011-2019.

KANT, I. “Sobre a Discrepância entre a Moral e a Política a Respeito da Paz Perpétua” In A Paz Perpétua. Um Projeto Filosófico. Tradução de Artur Mourão. Coleção Textos Clássicos de Filosofia. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008, p. 34-45.

________. “Sobre um Suposto Direito de Mentir por Amor à Humanidade” In Immanuel Kant. Textos Seletos. Textos Clássicos do Pensamento Humano/2. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. Edição Bilingue. 2ª edição. Petrópolis: Editora Vozes, 1985, p. 118-128.

________. “Transição da Filosofia Moral Popular para a Metafísica dos Costumes”. Segunda Seção. In Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Textos Filosóficos. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 1997, p. 39-91.

LÉVINAS, E. Autrement qu’être ou au-delà de l’essence. Paris: Kluwer Academic, 1974, p. 126.

________. De Deus que vem à ideia. Tradução de Pergentino Stefano Pivatto (coord.). 2ª edição. Petrópolis: Editora Vozes, 2008, p. 105.

________. “Filosofia, Justiça e Amor”. In Entre Nós. Ensaio sobre a alteridade. Tradução de Pergentino Stefano Pivatto (coord.). 2ª edição. Petrópolis: Editora Vozes, 2005, p. 143-148.

________. Totalidade e Infinito. Tradução de José P. Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 1988.

PLATÃO. A República. Livro I; Livro VII. Tradução e notas de Maria Helena da Rocha Pereira. 9ª edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, p. 1-51; p. 315.

ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Tradução de Lourdes Santos Machado. Introdução e notas de Paul Arbousse-Bastide e Lourival Gomes Machado. 2ª edição. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 227-282.

SANTO TOMÁS DE AQUINO. “Questão 58. A Justiça”. In Suma Teológica. Justiça – Religião – Virtudes Sociais. Volume 6. II Seção da II Parte – Questões 57-122. Texto bilingue. Introdução e notas por Carlos-Josaphat Pinto de Oliveira. São Paulo: Edições Loyola, 2005, p. 55-76.

SCHOPENHAUER, A. “A virtude da justiça”. Cap. III. Fundação da Ética. In Sobre o Fundamento da Moral. Tradução de Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1995, p. 134-151.

VÁZQUEZ, A. S. Ética. Tradução de João Dell’Anna. 37ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.