A experiência de Deus segundo a Regra de São Bento

D. Anselmo Chagas de Paiva

Resumo


Resumo: Na Regra de São Bento toda experiência de Deus deriva, de certo modo, da experiência que Jesus teve de Deus. O cristianismo começa a partir de uma experiência salvífica feita com Jesus Cristo, por parte dos primeiros discípulos. Esta experiência se manifestou pela partilha de vida, um seguimento, um discipulado existencial. A Sagrada Escritura mostra os vários elementos presentes nesta experiência, visando torná-la acessível às gerações futuras. A experiência de Deus vivida por São Bento e prescrita em sua Regra, permanece como norma e auxílio, para que todos os seus discípulos possam chegar à perfeição, através da união com Cristo, a que nada deve se antepor (cf. RB 72,11).

Palavras-chave: São Bento. Regra de São Bento. Experiência de Deus. Oração. Mosteiro.

Abstract: In the Rule of Saint Benedict, every experience of God derives, in a way, from Jesus’ experience of God. Christianity begins with a salvation experience in Jesus Christ by the first disciples. This experience was manifested by the sharing of life, a following, an existential discipleship. Sacred Scripture shows the various elements present in this experience, aiming to make it accessible to future generations. The experience of God had by Saint Benedict and prescribed in his Rule remains as a rule and help, so that all his disciples can reach perfection, through union with Christ, to whom nothing must overcome (cf. RB 72,11).

Keywords: Saint Benedict. Rule of Saint Benedict. Experience of God. Prayer. Monastery.


Texto completo:

PDF

Referências


BENTO PP XVI. Audiência Geral, 8 de novembro de 2006. Disponível em: w2.vatican. va. Acesso em: 10 fev. 2020.

______. Audiência Geral, 28 de outubro de 2009. Disponível em: www.vatican.va. Acesso em: 10 fev. 2020.

______. Audiência Geral, 7 de março de 2012. Disponível em: w2.vatican.va. Acesso em: 10 fev. 2020.

BENTO PP XVI. Exortação Apostólica pós-sinodal sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja “Verbum Domini”, Roma, 2010.

______. São Bento de Núcia. Audiência Geral de 9 de abril de 2008. Disponível em: w2.vatican.va. Acesso em: 10 fev. 2020.

BÖKMANN, A. Commentaire de la Règle de Saint Benoît, v. 3, Paris, 2015.

______. L’expérience de Dieu selon la Règle de Saint Benoît, in Apprendre le Christ à l’écoute de Saint Benoît, Bellefontaine, 2002.

CANTALAMESSA, R. Escuta! O que diz o Espírito à Igreja, in Boletim da AIM, 93, 2008, p. 52-59.

DE VOGÜÉ, A. O que diz São Bento, Belo Horizonte, 1994.

HALFLANTS, A. Nada antepor ao amor de Cristo (RB 4,21), in Em Comunhão X, 1985, p. 44-49.

HERWEGEN, I. O sentido e espírito da Regra de São Bento, Rio de Janeiro, 1953.

JOÃO CASSIANO. Col. X,10-11

RHANER, K. Sacramentum Mundi – Enciclopedia Teológica. Tomo III. Barcelona,1976.

S. AGOSTINHO. As confissões, São Paulo, 2002.

S. GREGÓRIO MAGNO. São Bento, vida e milagres, Rio de Janeiro, 2014.

S. JOÃO PAULO II. Homilia na celebração litúrgica por ocasião do XVV Centenário do nascimento de São Bento, 20 de setembro de 1980. Disponível em: w2.vatican.va. Acesso em: 10 fev. 2020.

S. JERÔNIMO. Commentariorum in Isaiam libri, Pról.: PL 24, 17.

S. PAULO PP VI. Alocução no Mosteiro de Monte Cassino, in AAS 56, 1964, p. 987-989.

______. Carta Apostólica onde São Bento é proclamado Patrono principal de toda a

Europa “Pacis nuntius”, Roma, 1964.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.